Vendas B2B: o que sua empresa precisa saber para trabalhar com esse mercado

Vendas B2B: o que sua empresa precisa saber para trabalhar com esse mercado

Aprofunde seus conhecimentos profissionais com nossos artigos ricos e gratuitos.

Vendas B2B são transações entre duas empresas, normalmente caracterizadas por grandes volumes. Além disso, elas são realizadas tendo como interlocutores compradores profissionais e um processo de aprovação multissetorial e, portanto, mais longo — conforme descreve a Gartner.

Na atualidade, as vendas B2B estão se tornando mais orientadas por dados à medida que o mundo se torna mais digital. Isso acontece também porque lideranças e profissionais da área comercial vêm percebendo que precisam considerar métricas que vão além da receita. 

Eles, agora, querem medir as atividades que são responsáveis ​​pelo aumento da competitividade para, entre outras coisas, defender investimentos e aprimorar planos de ação. 

Vamos nos aprofundar nesta temática? Continue lendo para ter um panorama completo desse ecossistema de negócios!

O que são Vendas B2B

Business-to-business (B2B) descreve o processo de venda de produtos ou serviços de uma empresa para outra. Essa prática envolve compreender as necessidades e objetivos específicos do negócio comprador e fornecer soluções personalizadas para atendê-los. 

Na prática, as Vendas B2B geralmente exigem a construção de relacionamentos, comunicação eficaz e demonstração de valor para impulsionar transações bem-sucedidas. 

É correto afirmar também que as Vendas B2B acontecem por meio de negociações mais complexas do que as B2C (business-to-consumer). Isso porque os compradores corporativos costumam ter requisitos mais específicos e exigem mais informações antes de fechar um contrato de aquisição. 

Ademais, as Vendas B2B envolvem grandes quantidades de produtos ou contratos longos e complexos de prestação de serviços. Dentro disso, os preços e as condições de pagamento tendem a ser bastante negociados.

Tudo isso faz com que, para ter sucesso em Vendas B2B, seja necessário compreender as necessidades e os objetivos estratégicos do cliente. Consequentemente, é preciso ter capacidade de comunicar como as ofertas podem ajudar os compradores a fornecer resolução de problemas ou atingimento de metas para suas companhias. 

Por fim, é válido pontuar que esse tipo de negociação exige o desenvolvimento de relacionamentos fortes, muitas vezes firmados em um status de parceria. Por exemplo, oferecendo suporte técnico e termos diferenciados de garantia. 

Vendas B2B X B2C: o que muda na prática

As vendas B2C são feitas diretamente de uma empresa ou vendedor ao consumidor. Diferentemente das vendas B2B, elas costumam ser de menor escala e envolvem apenas a decisão do consumidor. 

Em comparação com o B2C, os negócios B2B têm um pool maior, com contas maiores, grandes oportunidades de Marketing direcionado e, claro, orçamentos mais vultosos.

Então, por que existe uma diferença tão drástica entre as vendas B2B e B2C? Confira nos tópicos a seguir.

Maior valor médio de transação 

Embora o pipeline de vendas B2B possa ser pequeno, como uma pequena e média empresa fazendo um pedido de material de escritório, muitas vezes ele pode chegar a milhares ou milhões de reais e a uma enorme cadeia de suprimentos.

Fora de alguns setores específicos — como imobiliário, automotivo e bens de luxo — este não é o caso no mercado B2C.

Ciclos de vendas mais longos

Excluindo as três indústrias mencionadas acima, os consumidores B2C baseiam as decisões de compra em emoções e necessidades rápidas e passageiras: uma capa de telefone, carregador ou laptop. 

Os compradores B2B, no entanto, muitas vezes procuram um ROI concreto, uma vantagem mensurável ou uma solução lógica para um problema vital. Além disso, devem obter a aprovação de numerosos decisores. 

Múltiplas partes interessadas 

Nas vendas B2B, cada decisão influencia os resultados financeiros do negócio, e as decisões de compra sobem uma escada de aprovação. 

Isto significa que um “sim” mútuo de todos os tomadores de decisão precede uma venda bem-sucedida. Ou seja, quanto maior o valor do negócio, maior o número de “sim” necessários. 

Compradores profissionais

Os compradores B2B exercem extrema seletividade. Eles são exigentes com quem fazem negócios, e desenvolvem seus próprios critérios de compra sem a ajuda de vendedores. 

É por isso que o conteúdo, como os estudos de caso, por exemplo, se tornou uma parte tão importante do processo de vendas B2B. 

eBook - Guia de vendas b2b

Como estruturar um time de Vendas B2B

Confira, a seguir, algumas dicas para montar um time de Vendas B2B bem-sucedido. 

→ Comece refletindo sobre a importância de dimensionar o tamanho ideal desta equipe e desenvolvê-la para extrair o máximo do seu potencial:

Determine o perfil da equipe

O primeiro passo da construção de um time de Vendas B2B é determinar o tipo ideal de vendedores e demais profissionais para o negócio. Isso para garantir a contratação das pessoas certas para o trabalho, aumentando as chances de retê-las a longo prazo. 

No que diz respeito aos vendedores, é importante balancear entre esses perfis:

  • Mestre em relacionamento: capacidade de cuidar de contas mais complexas e compradores que demandam mais atenção, ele tem grandes habilidades de networking;
  • Batedor de metas: com facilidade para superar as expectativas, costuma motivar os colegas fornecendo insights e compartilhando experiências;
  • Resolvedor de problemas: focado em satisfazer o cliente, tem uma forma mais consultiva de atuar;
  • Obcecado por desafios: sente prazer em trabalhar com negociações complexas;
  • Lobo solitário: demanda pouca atenção da liderança e dos demais membros do time, pois é mais introspectivo, além de ser bastante dedicado. 

Torne o processo de recrutamento estratégico

No Brasil, a rotatividade de profissionais de vendas é bastante grande. Isso se dá, especialmente, porque os processos de recrutamento e seleção costumam ser pouco estratégicos.

Logo, é preciso ter isso em conta. Especialmente, considerar o modelo de negócios da empresa, a trajetória de crescimento, o mercado-alvo, além dos produtos e serviços. Além disso, deve-se seguir as boas práticas de Recursos Humanos e, se necessário, contratar os serviços de uma assessoria especializada.

Capacite os profissionais contratados

A estruturação de um time de Vendas B2B de performance elevada exige também bons investimentos em capacitação. Isso continuamente, uma vez que o mercado B2B é altamente dinâmico e requer atualizações constantes. 

Dentro disso, recomenda-se fornecer cursos, palestras, seminários e outras iniciativas para colocar todos os profissionais na mesma página.

Forneça um plano de carreira

Também é importante considerar a projeção de crescimento dos profissionais contratados — especialmente ao lidar com indivíduos das gerações Millennials e Centennials, nascidos a partir dos anos 1990. 

O perfil desses trabalhadores está estreitamente associado ao sentimento de pertencimento e à motivação por significado, conforme indicam pesquisas recentes.

Faca avaliação de desempenho e crie incentivos

Por fim, tanto para atrair quanto para reter talentos é preciso lançar mão de um tipo de liderança no qual as cobranças estão conectadas a incentivos. Isso requer desde a definição de metas realistas até recompensas a quem entrega resultados diferenciados, individualmente mas também em equipe.

Isso significa que é preciso definir métricas e indicadores bem claros e acompanhá-los com rigor, evitando gerar na equipe a sensação de que as regras mudam com frequência. Logo, as avaliações e os incentivos devem ser amparados por dados, transparentes e justos para todos. 

Formação de equipe de vendas: um passo a passo desde a rampagem até a inteligência comercial

Quais são as principais metodologias de Vendas B2B

Você sabia que a escolha adequada do método de vendas tem o potencial de melhorar em 20% os resultados de um departamento comercial B2B? É o que aponta um estudo global realizado pela Salesforce Training

A seguir, veja um detalhamento das dez metodologias mais comumente adotadas neste ecossistema de negócios. 

1. Inbound Sales

Com tanta informação na ponta dos dedos, os compradores estão fazendo mais pesquisas do que nunca, mesmo antes de falar com um vendedor. 

Assim, à medida que as metas de Vendas e Marketing se tornam cada vez mais interligadas, é possível aproveitar canais digitais (site, blog, redes sociais etc.) para atrair e engajar clientes em potencial. Isso é chamado de Inbound Sales, a venda de entrada — quando o comprador vem até a empresa.

Em outras palavras, essa metodologia ignora os scripts e as táticas de vendas de alta pressão, permitindo que o prospect inicie a conversa. Depois que ele faz contato, o vendedor usa dados e análises para personalizar ao máximo as mensagens que visam construir uma conexão mais profunda e, dessa forma, conduzi-lo à decisão de compra.

2. Account-based Selling

A venda baseada em contas, muitas vezes chamada de "venda de contas-alvo", é exatamente o que parece. Em vez de gerar o maior número possível de leads e perseguir cada um deles, as equipes se concentram apenas em contas altamente qualificadas e com probabilidade de conversão. 

Ao priorizar a qualidade sobre a quantidade, os representantes podem desenvolver relacionamentos de longo prazo que são benéficos para ambas as partes. Dessa forma, criam oportunidades de vendas adicionais, referências e receita recorrente adicional.

3. Solution Selling

Em vez de vender produtos específicos para clientes em potencial, essa abordagem envolve a venda de soluções para aliviar os pontos problemáticos. 

Em muitos casos, essas soluções podem acabar sendo uma combinação de várias ofertas ou até mesmo parcerias com outros fornecedores de produtos/serviços.

Pegue uma agência de Marketing, por exemplo. Se um prospect chegou trazendo sua dificuldade de receber tráfego ou engajamento suficiente, há vários produtos/serviços que ela pode oferecer — marketing de mídia social, design de site, SEO, marketing de conteúdo, a lista continua. 

No entanto, se a agência adotar uma abordagem de venda de soluções, ela poderá empacotar várias de suas ofertas para ajudar o cliente a superar esse ponto problemático e obter ainda mais sucesso do que se tivesse acabado de vender apenas um de seus serviços.

4. Value Selling

Assim como a comercialização de soluções, a venda de valor gira em torno dos resultados que o vendedor pode fornecer. 

Em vez de se concentrar em produtos ou pontos problemáticos, o vendedor enfatiza o valor geral ou os benefícios que sua solução pode oferecer. Afinal, os compradores não adquirem produtos, eles compram os resultados criados pelos produtos. 

Essa metodologia é particularmente eficaz nas negociações em que os vendedores são altamente exigentes e têm muito conhecimento de mercado. Também quando se trabalha com preços superiores aos da média da concorrência. 

Isso porque quanto maiores as vantagens reconhecidas pelos decisores de compras, mais valor acabam percebendo.

5. Challenger selling

Essa metodologia de vendas relativamente nova se concentra em uma das cinco personalidades dos vendedores B2B: o Challenger, obcecado por desafios. 

Os representantes de vendas “desafiadores” têm uma visão única do mundo e são especialistas tanto em seu campo quanto em seus clientes potenciais.

Neste sentido, esse método envolve fazer perguntas, debater e aprender com o prospect para obter uma compreensão mais profunda de seus negócios, antecipar suas necessidades e identificar oportunidades, mesmo antes de conhecê-las. 

Ao demonstrar a experiência e atenção aos detalhes, o vendedor se posiciona como uma autoridade, o que aumenta suas chances de fechar negócio em menos tempo.

6. Sistema Sandler 

O Sistema Sandler é um método que existe há muito tempo, mas tem se mostrado atemporal e altamente relevante na atualidade. Ele envolve a reformulação do vendedor e do comprador como iguais, trabalhando juntos para encontrar uma solução, em vez dos métodos tradicionais, que geralmente consistem em vendedores buscando compradores. 

Ao fazer perguntas e aprender sobre os negócios dos clientes em potencial, o vendedor pode avaliar se há um bom ajuste, responder aos questionamentos dos prospects e ajudá-los a superar suas próprias resistências.

Normalmente, começa-se com a construção de um relacionamento com o cliente potencial, qualificando-o por meio de perguntas sobre seus objetivos, orçamento e outros detalhes. Em seguida, avança-se para o fechamento do negócio — o que muitas vezes acontece organicamente porque tanto o comprador quanto o vendedor querem trabalhar juntos.

7. SPIN Selling

A venda SPIN destaca os quatro tipos de perguntas que os representantes devem fazer aos clientes em potencial: situação, problema, implicação, necessidade de recompensa. 

Essa metodologia ajuda os vendedores a avaliar a situação de seus clientes em potencial, identificar seus principais pontos de dificuldade, destacar as consequências de não superar esses pontos problemáticos e orientar os clientes em potencial a visualizar como seria essa mesma situação se o problema tivesse sido resolvido.

Essa metodologia de vendas não agressiva existe desde os anos 80 e continua sendo bem-sucedida, pois ajuda os clientes em potencial a reconhecer o valor que você pode fornecer antes mesmo de tentar fechá-los.

8. NEAT Selling

NEAT é uma metodologia de vendas que foi desenvolvida como uma alternativa mais flexível e adaptável ao framework BANT (Orçamento, Autoridade, Necessidade, Tempo).  

Este pode ser considerado um pouco desatualizado porque, embora ajude os representantes a entender o que eles precisam para fechar um negócio, não ajuda o comprador a entender suas próprias necessidades. E se o cliente não sabe o que precisa, fechar a venda é uma batalha difícil.

Na abordagem NEAT, o vendedor faz uma série de perguntas para revelar as necessidades dos prospects, destacar o impacto econômico dessas necessidades, identificar os tomadores de decisão na empresa e estabelecer um cronograma para fechar o negócio.

A saber, o acrônimo NEAT significa:

  • Need (Necessidade);
  • Economic Impact (Impacto Econômico);
  • Access to Authority (Acesso à Autoridade);
  • Timeline (Cronograma).

9. SNAP Selling

A metodologia de vendas SNAP baseia-se na ideia de que vender é fácil quando é fácil comprar. A sigla representa os quatro pilares dessa abordagem:

  1. Simples – Mantenha a simplicidade tornando mais fácil para os clientes em potencial comprar e adotar o que você está vendendo.
  2. Inestimável – Posicione-se como um especialista confiável para seu cliente em potencial e mostre a ele como sua solução se destaca da concorrência
  3. Alinhamento – Garanta conversas e soluções alinhadas com as necessidades e objetivos de seus clientes potenciais.
  4. Prioridade – Tenha as decisões importantes em mente para criar urgência em torno de sua solução e demonstrar ao seu cliente potencial por que ela deve ser uma prioridade.

10. MEDDIC Selling

O método MEDDIC é indicado para negociações de alta complexidade. Ele reúne as palavras-chave Métrica, Comprador Econômico, Critérios de Decisão, Processo de Decisão, Identificação da Dor, Champion. 

Por meio das perguntas a seguir, esse método ajuda os representantes a desenvolver um profundo conhecimento dos negócios e do processo de tomada de decisão dos compradores em potencial:

  • Métrica: Qual é o impacto econômico da situação?
  • Comprador: Quem toma a decisão final de fechar o negócio?
  • Critérios de Decisão: Como os fornecedores são avaliados e escolhidos?
  • Processo de Decisão: Quais são as etapas e quem são as partes interessadas por trás da seleção do fornecedor?
  • Identificação da Dor: Que necessidade ou dor fez com que esta solução se tornasse uma prioridade?
  • Champion: Na empresa do seu cliente potencial, quem é o maior defensor da sua solução?

Quais são as melhores ferramentas para alavancar Vendas B2B

Considerando que são muitos os desafios enfrentados pelos times de Vendas B2B, confira, a seguir, os tipos de ferramentas mais indicados para lidar com eles.

CRM

Um sistema de gerenciamento de relacionamento com clientes (CRM) é o recurso mais básico que um time de vendas deve ter. Isso porque, nessa solução, estão contidos os cadastros dos clientes e prospects e, a partir dela, é possível qualificar leads e fazer contatos.

O CRM também é excelente para a organização do dia a dia de trabalho (agenda, alertas de horário para contato etc.). E, por meio dessa ferramenta, a liderança também consegue mensurar a produtividade da equipe.

Há no mercado excelentes soluções de CRM, sendo recomendada a implementação de plataformas na nuvem, o que dá mais mobilidade e garante acessibilidade aos profissionais. 

Gestão de oportunidades no CRM: como a integração com Sales Intelligence favorece essa prática

Analytics

Soluções do tipo Analytics facilitam a descoberta e a comunicação de padrões úteis em conjuntos de dados. Elas são usadas nos processos de prospecção para, por exemplo, gerar insights valiosos nos momentos de preparação para reuniões de negócios.

Com esse tipo de plataforma, os times de vendas podem melhorar suas capacidades ao extrair valor de bases de dados internas e externas. 

Aplicações de help desk

Help desk é o termo que caracteriza um importante segmento de ferramentas utilizadas na gestão do atendimento às solicitações dos consumidores.

A prática funciona como uma central que esclarece dúvidas ou resolve questões relativas a problemas de serviço ou de vendas.

Boas ferramentas de help desk são recheadas de indicadores de desempenho para traçar diagnósticos e impulsionar o serviço de atendimento ao consumidor

Business Intelligence

Business Intelligence (BI) é o termo guarda-chuva para diversas aplicações tecnológicas destinadas a coletar, integrar, analisar e apresentar informações de negócios. 

A função delas é facilitar a tomada de decisão, aumentando as chances de se acertar em planejamentos e projeções. Afinal, tudo é guiado por dados e apresentado de maneira que facilita a interpretação no cotidiano agitado dos executivos.

Inteligência de Vendas

As ferramentas do tipo Sales Intelligence ajudam os times comerciais a usar dados internos e externos para aumentar e melhorar as vendas. Permitem, por exemplo, um tratamento mais estratégico dos leads usando dados para encontrar novas oportunidades e fornecer aos vendedores as informações de que precisam para tirar proveito delas.  

Este tipo de software também é usado por executivos de Marketing e Vendas para definir e implementar estratégias combinando dados externos com bases internas, como listas de clientes potenciais, bancos de dados de contatos, entre outras.

Desenvolvida e operando com mecanismos de Inteligência Artificial, essa categoria de sistema facilita da geração de leads à mensuração dos resultados da área comercial. 

Isso porque promove o enriquecimento e a higienização de dados. Garantindo que o time seja munido com informações atualizadas sobre clientes, prospects e também sobre o mercado em geral, como nichos específicos e concorrentes.

→ Dê o play no vídeo a seguir para ver como a escolha adequada das ferramentas tecnológicas facilita o alcance dos resultados em Vendas B2B:

7 coisas que o seu time de Vendas B2B não pode deixar de fazer

1. Conhecer o perfil de cliente ideal

Nunca foi tão importante como agora ter um conhecimento sólido do perfil de cliente ideal. E isso inclui saber em profundidade quais são as necessidades, expectativas e preferências das empresas com as quais se quer fechar negócios. 

Para além de saber o tipo de conta a ser prospectada, é também indicado mapear as características dos compradores. Logo, fazer um estudo detalhado de buyer personas vai ajudar muito neste detalhamento.

Tudo sobre ICP: o passo a passo definitivo para mapear o perfil de cliente ideal da sua empresa

2. Dimensionar o mercado

As empresas que atuam focadas em um nicho específico do mercado têm lucro anual no mínimo 10% maior que seus concorrentes com atuação abrangente. E mais: 81% de seus executivos têm plena consciência de que a segmentação é um dos fatores que mais geram diferenciação competitiva, segundo levantamento global da Bain & Company.

Por isso, é importante que a equipe de Vendas contem com um sistema de inteligência de vendas que facilite a análise dos potenciais clientes de um mercado e seus mais variados nichos. Isso tanto em relação aos concorrentes ou às lacunas ainda não cobertas por outros players, como no que diz respeito às próprias capacidades da empresa de expandir sua atuação.

Tais análises acontecem porque esse tipo de aplicação dispõe de grandes bases de dados sobre as empresas nas mais variadas regiões. E com níveis de detalhes que vão desde o faturamento e a receita até o número de funcionários, entre outras informações. 

3. Analisar estrategicamente a carteira de clientes

Também o entendimento do perfil da base de clientes já conquistados é muito importante. Isso por meio da análise de dados e mapeamento das principais características em comum entre eles.

Esse exercício, que precisa ser contínuo, facilita segmentação, ações de upsell e cross-sell, fidelização de carteira, entre outras estratégias. 

Isso não deve ser feito por meio de simples relatórios, mas sim de painéis inteligentes que se mantêm sempre atualizados e completos, dando aos gestores e suas equipes facilidades para interpretar as informações em poucos minutos.

3. Projetar e prever vendas e receita

Por meio da abordagem probabilística, o time deve acompanhar em tempo real a propensão de vendas e o atingimento das metas. Dessa forma, o processo de tomada de decisão torna-se mais rápido e assertivo. 

Ao estar munidos de informações precisas referentes à meta do time e à situação de cada vendedor, gestores conseguem desenhar estratégias e decidir quais oportunidades serão prioridade no atendimento, conforme a previsão de fechamento.

Em suma, todos devem ter boas capacidades de análise preditiva, o que os ajudará a melhorar de forma sustentável o desempenho e os processos, bem como a antever negócios futuros.

4. Buscar a inovação e ter espírito colaborativo

Quando se trata de unir metodologias de vendas com inteligência de dados, um ambiente de trabalho favorável à inovação é essencial. Isso requer espírito colaborativo, ou seja, união entre diferentes perfis de vendedores que unidos por objetivos claros, intercambiam ideias e crescem juntos.

Para alcançar esse estado, a liderança comercial precisa se colocar como facilitadora, conceder autonomia e premiar a atuação em equipe. O que significa incentivar a experimentação, acolher críticas construtivas e assim por diante.  

5. Usar uma solução de Inteligência de Vendas B2B

Esse tipo de sistema reúne Inteligência Artificial, Analytics e Ciência de Dados permitindo a busca de novas oportunidades a partir de grandes bases de dados. Dessa forma, os vendedores contam com as informações que precisam para dimensionar o mercado, localizar compradores, entre outras frentes, em poucos cliques. 

Normalmente usada por executivos de Marketing e Vendas para definir e implementar estratégias, uma plataforma de inteligência de vendas B2B combina dados externos com bases internas, como listas de clientes potenciais, bancos de contatos sempre atualizados, entre outras facilidades.

Na prática, este tipo de sistema permite a geração de leads, enriquecendo dados e auxiliando na mensuração dos resultados. Também facilita processos de higienização de dados, garantindo que o time seja munido com informações atualizadas sobre clientes já conquistados e também prospects.

→ O CRM é central na gestão de clientes e oportunidades de negócios, além de trazer dados históricos da empresa. 

Já a ferramenta de Inteligência de Vendas auxilia no dimensionamento do mercado, na escolha das melhores contas para prospectar, na definição do ICP, entre outras frentes.

Confira, no vídeo a seguir, como integrar essas duas soluções para potencializar os resultados da sua equipe de Vendas B2B:

6. Desenvolver o mindset data driven

Obviamente, não basta apenas fornecer a ferramenta tecnológica. É preciso criar um ambiente no qual o time veja valor em orientar suas atividades, atitudes e decisões em dados. 

E aqui um dado importante: as empresas com forte cultura data driven crescem em média 30% ao ano, segundo levantamento da Forrester. Elas incentivam a mentalidade amparada por informações relevantes e atualizadas, que fornecem contexto e reduzem a prática da “tentativa e erro”. 

7. Mensurar resultados com métricas e indicadores

Por fim, um time de Vendas B2B bem-sucedido precisa definir métricas e indicadores de desempenho que facilitem a qualificação, mas também a quantificação dos retornos obtidos.

Lembre-se:

  • indicadores são as principais medidas da estratégia comercial; eles articulam e fornecem uma visão clara do que o departamento precisa medir e alcançar para atingir seus objetivos.
  • métricas, por outro lado, são medidas de composição bruta, atômica e simples, como formatos de valor e quantidade. Elas são a base de qualquer acompanhamento operacional.

Confira, no quadro abaixo, alguns exemplos:

Indicadores de desempenho

Métricas

Receita total;

Penetração/participação de mercado;

Crescimento das vendas;

Crescimento das vendas por período (mensal, trimestral, semestral, anual…);

Volume de pedidos por vendedor;

Volume de vendas por região;

Performance do produto;

Taxa de conversão de leads.

Custo de Aquisição do Cliente (CAC);

Ticket Médio por cliente;

Ticket médio de clientes novos x clientes já conquistados;

Taxa de cancelamento (Churn rate);

Índice de Satisfação de Clientes (NPS);

Taxa de vitória (Win Rate);

Oportunidades no funil;

Lifetime Value (LTV);

Tempo médio de negociação até a venda.

O sucesso em Vendas B2B requer time capacitado, tecnologia de ponta e inteligência de dados

Alcançar o sucesso nas Vendas B2B é um desafio que demanda um time altamente capacitado. Profissionais com habilidades sólidas de comunicação, negociação e compreensão profunda do mercado — para conduzir transações complexas e atender às necessidades específicas dos clientes corporativos. 

A expertise individual de cada membro do time, combinada à colaboração eficaz, forma a base para construir relacionamentos duradouros e bem-sucedidos no cenário B2B.

Além do capital humano, a integração de tecnologia de ponta desempenha um papel crucial no sucesso das Vendas B2B. 

Por isso, é indicado contar com plataformas avançadas de automação — CRM e Sales Intelligence, entre outros —, para realizar análises de dados que proporcionam insights valiosos. Isso visando unir métodos e esforços que ajudem a superar os desafios dinâmicos desse ecossistema de negócios tão complexo.


Sobre a Cortex

A Cortex é a empresa número 1 em soluções de inteligência para crescimento. Caso queira saber como prospectar clientes com inteligência de dados, conheça nossa solução de Inteligência de Vendas B2B.

Ou, se tiver urgência, não perca tempo: agende uma conversa com a equipe de especialistas Cortex e descubra como economizar centenas de horas dos times de inteligência.


Artigos Relacionados