Ciência de dados: o que é e como se aplica nas empresas

Aprofunde seus conhecimentos profissionais com nossos artigos ricos e gratuitos.

Você vai ler sobre:

  • O que é ciência de dados
  • Uma breve história da ciência de dados
  • Como se aplica ciência de dados nas empresas

Nos últimos anos, uma área tem se destacado quando o assunto é tecnologia: a ciência de dados. Cada vez mais se fala da sua relevância nas organizações e no mercado de trabalho. Mas por que isso acontece? 

Para responder essa pergunta, preparamos um breve texto introdutório sobre o que exatamente é a ciência de dados, e como você pode aplicá-la na sua empresa.

Esse artigo é o primeiro de uma série de conteúdos que lançaremos sobre conceitos e fundamentos básicos de tecnologia. Vem com a gente!

Ciência de dados: o que é, afinal?

Existem diferentes definições para a ciência de dados, que envolve áreas como estatística, ciência da computação, engenharia de software, entre outras. O termo, aliás, está longe de ser consenso no meio acadêmico.

De acordo com a Oracle, por exemplo, trata-se de “um campo interdisciplinar que utiliza métodos, processos, algoritmos e sistemas científicos para extrair valor dos dados”. 

Já o matemático D.J. Patil, um dos mais proeminentes especialistas no tema, resume como a habilidade de extrair conhecimento e insights de um conjunto de dados amplo e complexo. 

Num esforço de traduzir o conceito, a Universidade de Berkeley criou o Ciclo de Vida da Ciência de Dados, organizado em cinco estágios:

  • Captura;
  • Armazenamento;
  • Processamento;
  • Análise;
  • Comunicação.
DataScienceLifeCycle_Berkeley
Fonte: Universidade de Berkeley

Breve história da ciência de dados 

As primeiras citações ao que seria a ciência de dados surgiram em 1962, no artigo “O Futuro da Análise de Dados”, do matemático John Tukey. 

Outro importante marco foi a pesquisa conduzida pelo especialista em informática Peter Naur em 1974, chamada “Métodos de Computação”, em que ele cita e define o termo “ciência de dados”.

Apesar de não ser algo novo, foi nas últimas duas décadas – quando os dados se tornaram “o novo petróleo” – que esse campo ganhou maior notoriedade. 

O crescimento foi tão consistente que em 2008, D.J. Patil e Jeff Hammerbacher usaram pela primeira vez o termo “Cientista de Dados”: um profissional com habilidades para explorar o mundo do big data.

A profissão se tornou uma das mais requisitadas do mundo, sendo cunhada pela Universidade da Califórnia como a mais empolgante oportunidade de carreira no século 21. 

Atualmente, é a atividade que lidera o ranking de melhores ocupações da Glassdor nos Estados Unidos. 

Afinal, os dados só podem ter valor se houver pessoas capazes de fazer o trabalho de transformá-los em conhecimento.

O gráfico do LinkedIn exemplifica a crescente demanda do mercado de trabalho por especialistas nessa área. 


Ciência de dados: algumas aplicações para as empresas

A transformação digital provocou uma revolução na economia global. Segundo a IBM, em apenas dois anos foram criados 90% dos dados que existem hoje. 

Esse cenário levou indústrias de todos os segmentos a buscar formas de processar grandes volumes de informação para obter vantagens competitivas.

Assim, hoje a ciência de dados se tornou indispensável nas organizações. Vejamos alguns exemplos de como ela pode ser aplicada em diferentes áreas de negócio.

Comunicação e Relações Públicas

Na comunicação empresarial, a ciência de dados pode auxiliar na organização e análise agrupada de dados não estruturados, como notícias e vídeos. 

Em termos práticos, significa, por exemplo, ter a capacidade de fazer um monitoramento integrado da reputação em diferentes mídias – incluindo as sociais – em tempo real. 

Com ciência de dados, profissionais de RP têm conquistado um aumento de produtividade no trabalho de mensuração e classificação de suas citações na imprensa, em todos os canais.

Inteligência de mercado

Por seu caráter estratégico, as áreas de inteligência de mercado também passaram a incorporar a ciência de dados para apoiar o crescimento das empresas. Vejamos alguns exemplos rápidos de como isso tem sido feito:

  • Geração de insights a partir da análise de dados internos das organizações;
  • Identificação de tendências com a captura de dados externos não estruturados;
  • Comparação de performance com a concorrência, viabilizada pela análise de informações de mercado.

Vendas

Uma das formas que as áreas de vendas têm se beneficiado da ciência de dados é com uma maior assertividade no forecasting, por exemplo. 

A partir da análise automatizada de dados de venda passados, é possível ter mais eficiência na previsão de resultados futuros. 

Além disso, com ciência de dados, times comerciais conseguem selecionar com mais velocidade e assertividade melhores oportunidades de venda, trazendo mais retorno financeiro para as empresas.

Resumindo…

Embora não seja algo novo, foi nas últimas décadas que a ciência de dados ganhou grande notoriedade, se tornando, inclusive, uma profissão. 

Isso porque, num mundo cada vez mais digital, quem dá as cartas são os dados. Ou seja,  empresas de todos os segmentos estão operando processos e estratégias com ciência de dados, sob pena de perder espaço no mercado.

Mais do que um conceito, a ciência de dados tem se mostrado como um campo fundamental para trazer mais competitividade às organizações modernas.


Sobre a Cortex

Cortex é a empresa número 1 em soluções de inteligência para crescimento. Caso queira saber como ter insights mais ágeis e inteligentes na sua empresa, conheça o Cortex MI.

Ou, se tiver urgência, não perca tempo: agende uma conversa com a equipe de especialistas Cortex e descubra como economizar centenas de horas dos times de inteligência.


Cadastre-se para receber nossos conteúdos do blog