Fake news: saiba como o clipping interativo pode salvar sua marca

Aprofunde seus conhecimentos profissionais com nossos artigos ricos e gratuitos.

Tempo de leitura: 5 minutos

Você vai ler sobre:

  • A importância do clipping moderno para desfazer fake news
  • Os erros que comprometem a qualidade do clipping
  • As premissas de um monitoramento eficaz

Se você trabalha com comunicação, já deve saber que o clipping ou “clipagem” é uma das principais formas de mensuração de notícias. Atualmente, seu valor se tornou ainda maior para as empresas. 

Isso porque é uma ferramenta fundamental para monitorar e combater fake news que possam surgir envolvendo a imagem das marcas.

Em toda a América Latina, o Brasil é o país em que profissionais de relações públicas mais se preocupam com a propagação de fake news. 

Atualmente, 48,6% dos departamentos de comunicação veem as fake news como uma questão relevante em seu trabalho diário, segundo a Latin American Communication Monitor 2018-2019. O número está acima da média da região (33%). 

Como o clipping ajuda no combate a fake news sobre a marca?

Estamos na era dos dados, na qual compartilhamos ideias, notícias e opiniões em uma velocidade extraordinária. Segundo dados de 2016 do IBGE, mais de 50% dos lares brasileiros têm acesso à internet. 

Mas toda essa conectividade vem junto de dois obstáculos a serem enfrentados: a desinformação e as fake news. Você já deve ter recebido alguma informação suspeita repassada por alguém pelo Whatsapp, por exemplo, certo? 

Um estudo do Massachusetts Institute of Technology (MIT) revelou que notícias falsas são 70% mais compartilhadas do que as verdadeiras. Diante dessa onda de fake news, o gestor precisa ser capaz de detectar rapidamente a divulgação de mentiras ou informações distorcidas sobre a empresa. 

Especialmente nesses tempos em que crises de imagem se tornam globais em questões de minutos, a velocidade de reação é indispensável para as estratégias das marcas. 

E é aí que entra o papel do clipping: monitorar e acompanhar as notícias sobre a sua organização, e também sobre seus concorrentes para impedir a disseminação de fake news que impactem a reputação da companhia.

No método antigo, empresas recebiam um relatório que olhava para o passado, e não traziam a repercussão nas diferentes mídias de forma integrada.

Com o clipping interativo, o trabalho de monitoramento se modernizou. Mas para que seja eficaz contra as fake news, é preciso evitar algumas armadilhas. A seguir listamos quais são elas.

Entenda mais sobre o clipping de notícias e sobre o clipping interativo.

Como se elabora um bom clipping?

Conhecimento sobre os objetivos da empresa. Para construir um clipping relevante, primeiramente deve-se conhecer bem a empresa. Da mesma forma, é importante entender os resultados esperados com o monitoramento e definir um foco para ele.

Monitoramento do mercado e concorrentes. Essa etapa é fundamental para a estratégia de negócios das marcas. Um bom clipping faz aprofundamento das buscas, pesquisando todos os assuntos e palavras-chave que estejam ligados à empresa e seus concorrentes.

Confirmação da fonte da matéria. Em tempos de fake news, é importante confirmar a procedência das matérias selecionadas no clipping.

Organização das informações. Isso pode ser feito tanto por meio de filtros quanto de palavras-chave. A estruturação de informações é primordial para o entendimento da repercussão da marca nos diferentes canais.

O que compromete a qualidade do clipping?

1) Reunir somente o que repercutiu de positivo:

Uma mesma matéria pode repercutir de maneira positiva ou negativa. Ignorar a parte negativa, clipando apenas conteúdos favoráveis à marca é um dos principais erros na construção do clipping.

Isso porque notícias e comentários detratores também são importantes para uma real percepção de reputação e da imagem da empresa.

2) Relatório só com notícias que citam a marca: 

É indispensável acompanhar todo o material divulgado a respeito não apenas da marca, mas também da concorrência e de todo o mercado de atuação da companhia. 

Por exemplo: geralmente as empresas divulgam relatórios de seus resultados ao longo do ano. É importante que este conteúdo seja clipado, tanto o referente à sua empresa, quanto dos concorrentes.

Desta forma, é possível analisar aspectos importantes da concorrência, que podem contribuir para uma atuação mais estratégica da sua companhia.

3)  Não confirmar a procedência de uma matéria:

Como vimos, qualquer informação errada, seja intencionalmente ou não, pode ganhar uma repercussão inesperada e gerar crise. 

Algumas dicas para identificar fake news são:

  • Checar todas as fontes das notícias; 
  • Considerar o nível de credibilidade do veículo; 
  • Ler a matéria completa para verificar erros de formatação ou ortografia;
  • Pesquisar a notícia no Google e analisar se também repercutiu em sites confiáveis.

Resumindo…

O clipping é um trabalho de monitoramento de notícias que ganhou um novo valor na era dos dados. As áreas de comunicação mais modernas veem o clipping como uma ferramenta de gestão de risco. 

Além de se antecipar a potenciais crises, acompanham a repercussão nas mídias para identificar eventuais fake news a respeito da marca.

Em síntese, trata-se de uma ferramenta imprescindível para o desenvolvimento de estratégias e tomadas de decisões.

Algumas premissas importantes:

  • O clipping pode ajudar as áreas de comunicação na identificação de notícias falsas, evitando crises de imagem;
  • É fundamental que o monitoramento de notícias aconteça em tempo real e de forma integrada;
  • Um dos aspectos mais importantes é conhecer o mercado da empresa, para acompanhar a repercussão dos concorrentes e fazer comparação com a marca.

Sobre a Cortex
Cortex é a empresa número 1 em soluções de inteligência para crescimento. Caso queira saber como analisar sua reputação e dos concorrentes em todas as mídias online e offline com monitoramento integrado em tempo real, conheça o Cortex PR

Se preferir, não perca tempo: agende uma conversa com a equipe de especialistas Cortex e traga sua estratégia de comunicação para a era dos dados.

fake news


Artigos Relacionados